sábado, 27 de julho de 2019

SINDICÂNCIA OU FARSA SEM VERGONHA




NÃO HÁ FUNDAMENTOS SÉRIOS NEM CREDÍVEIS PARA DISSOLVER A DIREÇÃO DA ORDEM DOS ENFERMEIROS.
O QUE HÁ, ISSO SIM, É UM EMPENHO FEROZ  E IMPRÓPRIO DA MINISTRA DA SAÚDE EM AJUDAR O  CONLUIO AUGUSTINIANO A REGRESSAR AO CONTROLO DA ORDEM.
O PONTAPÉ DE SAÍDA FOI DADO NO PASSADO DIA 18/07/2019, NA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA COM O LANÇAMENTO DE UM OPÚSCULO SOBRE OS 40 ANOS DE SNS.
JÁ NEM TÊM TEMPO NEM JEITO PARA DISFARÇAREM !

QUEM VAI DESTITUIR A MINISTRA DA SAÚDE POR ABUSO DE PODER E NÍTIDO FAVORECIMENTO E INTROMISSÃO POLITICO-PARTIDÁRIA NA VIDA DA ORDEM DOS ENFERMEIROS.
CONVENHAMOS QUE:
ART.º 3º Nº 5 DA LEI 156/2015 DE 16 DE SETEMBRO DETERMINA[5 - A Ordem está impedida de exercer ou de participar em atividades de natureza sindical ou que se relacionem com a regulação das relações económicas ou profissionais dos seus membros.
ART. Artigo 123.º
Tutela administrativa
Os poderes de tutela administrativa sobre a Ordem dos Enfermeiros, nos termos do artigo 45.º da Lei n.º 2/2013, de 10 de janeiro, e do presente Estatuto, são exercidos pelo membro do Governo responsável pela área da saúde.
Artigo 45.º LEI 2/2013 DE 10 DE JANEIRO
Tutela administrativa
1 - As associações públicas profissionais não estão sujeitas a superintendência governamental nem a tutela de mérito, ressalvados, quanto a esta, os casos especialmente previstos na lei. 
2 - As associações públicas profissionais estão sujeitas a tutela de legalidade idêntica à exercida pelo Governo sobre a administração autónoma territorial. 
3 - A lei de criação ou os estatutos de cada associação pública profissional estabelecem qual o membro do Governo que exerce os poderes de tutela sobre cada associação pública profissional. 
4 - Ressalvado o disposto no número seguinte, a tutela administrativa sobre as associações públicas profissionais é de natureza inspetiva. 
5 - No âmbito da tutela de legalidade, os regulamentos que versem sobre os estágios profissionais, as provas profissionais de acesso à profissão e as especialidades profissionais só produzem efeitos após homologação da respetiva tutela, que se considera dada se não houver decisão em contrário nos 90 dias seguintes ao da sua receção. 
6 - Para efeitos do número anterior, o membro do Governo que exerce os poderes de tutela sobre a associação pública profissional deve solicitar os esclarecimentos e os documentos necessários à decisão sobre a homologação dos regulamentos nos 45 dias posteriores à receção do requerimento da associação pública profissional. 
7 - A associação pública profissional deve responder às solicitações do membro do Governo que exerce os poderes de tutela nos 10 dias seguintes, não se suspendendo o prazo previsto no n.º 5, salvo se este prazo for ultrapassado. 
8 - É aplicável às associações públicas profissionais, com as necessárias adaptações, o disposto na Lei n.º 27/96, de 1 de agosto, alterada pela Lei Orgânica n.º 1/2011, de 30 de novembro.

DITADO POPULAR - [QUEM É SÓ SAPATEIRO NÃO TOQUE RABECÃO]

JÁ QUE A MINISTRA ADORMECE AO SOM DO HINO DA CGTP/in - Central Sindical Comunista Estalinista, o que demonstra ter pouca vergonha, ou não(?), depende do ângulo de espreita, tenham-na os Enfermeiros com "E"; tenhamo-la nós, Sindicato dos Enfermeiros - SE.
Se alguém devia ser sindicado, em sindicância séria, era a Ministra da Saúde e os seus acólitos, que está a tentar proteger e ajudar a reconquistarem o poder, que perderam, na Ordem dos Enfermeiros, onde esbanjaram à tripa forra, durante 15 anos. Disso ninguém fala, para lá de mim, como sempre falei, nas AG de aprovação de contas da dita.
Neste contexto, já havia motivos de dissolução da Rita, mesmo antes dos farsantes da (F)IGAS irem desenvergonhadamente, fazer as fitas, que os interessados conhecem. É Portugal e os governantes, que temos, no seu melhor. Se sem maioria absoluta, nem sequer vitória, mas com "geringonça" falpórria, é assim ...
A investigação sindicante é feita a pedido da Ministra da Saúde, a uma tal IGAS (abreviatura de FIGAS) inspecção, ao Serviço do Ministério e nomeada por ele, logo "sui generis".
Onde está, aqui, a isenção equidistante, das excogitações, que exibem?
Antes de avançarmos, perguntamos: que são 10 mil euros, em orçamentos de 10 milhões?
Que são 10 mil euros, em 250 corpos dirigentes?
Temos evidências, como esta da sindicância, que só as não vêem os entupidos, de que se estes Síndicos não obedecerem à voz de quem os nomeia e lhes garante o sustento e também não demonstrarem ausência do mais ligeiro vestígio de pudor ao exporem-se a esta ridicularia ministerial, vão fora.
E AINDA NÃO TÊM MAIORIA ABSOLUTA, NEM SEQUER VITÓRIA; QUE FARIAM SE A TIVESSEM, JÁ...
Por que não entregou a Ministra da Saúde a investigação da Sindicância. "ab initio" à PJ, como mandam as regras da isenção, e mandou ela inventariar coisas, para entregar, agora, depois de, obviamente, manipuladas, à Judiciária. E não nos faltam provas contra a ministra e seus cúmplices, contra os Enfermeiros, como se ainda fosse Administradora de Hospitais.
Suspeitaria ela de a PJ não alinhar em fantochadas e que tem profissionais isentos, na procura da verdade e não das montagens fantoches?!
Sei lá...
Ao não seguir por esse caminho, do rigor e isenção, tão suspeita é a Ministra da Saúde desta fantochada, como a (F) IGAS, que depende do seu Gabinete.
O nosso Sindicato dos Enfermeiros - SE, não precisa da Ordem a apoiar as nossas greves, aqui no SE/SIPE/FENSE, dispensa-se-lhe a intromissão.
Quando a Ordem  dos Enfermeiros se recusou a custear as despesas, que prometeu pagar, dos autocarros, que transportaram Enfermeiros a Lisboa para a manifestação histórica de 2017, na qual se juntaram 12 mil manifestantes (número calculado pela PSP) que a FENSE alugou e o SE pagou, nos seus 58 mil euros, significa que houve o maior cuidado na administração dos dinheiros da Ordem e a previsão de futuras acusações, como esta da Ministra. Se outro argumento a Ordem não tivesse contra as mentiras da Ministra da saúde mai-la sua SINDICÂNCIA, para abater a Direção da Ordem e tentar pôr lá os que desgraçaram a Enfermagem, a partir de 1998, com destaque para o ano de 2009 com a Ana Jorge e Manuel Pizarro, que já se mexe e fala sem vergonha nem pudor, a tal Ana Jorge.
As pessoas de bem e de reta intenção, não podem deixar de apreciar este gesto de não pagamento dos autocarros, ao SE, como rigor nas contas e administração de dinheiros e transformam a ingerência da Ordem no movimento sindical, como pretende Marta Temido, numa falácia, tão interferente, como a do Bastonário da Ordem dos Médicos, nas respetivas greves. Não passam de piedosas intenções.
Quando, já não for possível ESCONDER quem criou os "SINDICATOS ALTERNES" E O "MENF" E O "CROWFUNDING" TIPO ANTÓNIO COSTA, NAS AUTÁRQUICAS, para decretar e apoiar as greves cirúrgicas, há de haver muita gente boa a abrir a boca de espanto. com tanta maldade...
Sabemos qual foi o rombo que os Militantes Comunistas, e da atual "geringonça", que orbitam à volta dos Enfermeiros, tiveram na sua sustentação, com a perda da administração e controlo da Ordem dos Enfermeiros. Até o MAIOR SINDICATO, na sua presunção de falar e julgar, se transformou numa pálida imagem de grandeza, com a sua pequenez, que não convém ao Ministério da Saúde, para as jogadas, que faz, com ele e de que temos, aí, sobretudo, aqui, sobejas provas documentadas, que demonstram o envolvimento da Ministra da Saúde, não só como ministra, já antes de, com o SEP, Sindicato cereja de bolo da CGTP/in, com hino apaziguador, embalador, imagine-se: o hino que incita à luta, mas que esta ouvinte ouve-o, como os morcegos, quando dormem. E sossega!
É legítimo supor que este envolvimento da Ministra da Saúde com o SEP e a administração da Ordem, pelos abafados da "Geringonça", que não é de hoje, nem atual, para os conhecedores do meio, a Saúde, se destina a dar uma ajuda substancial para que aquela malta reconquiste o poder da Ordem, que perdeu. Estejam atentos e vão vê-los a pagar-lhe o favor, na campanha de Marta Temido para Deputada pelo distrito de Coimbra. atentem nisto. E lutem, enquanto é tempo.
Sugerimos aos inspetores da (F)IGAS, que alarguem a inspeção, aos dinheiros da Ordem, ao tempo da FNOP e afins, na época augustiniana, onde as rubricas orçamentais eram globais e não discriminadas. (viagens e alojamentos e alimentação 5 milhões de euros, por exemplo) E sabemos bem porquê e para quê...
Como é que detetariam, nestes casos globais, meia dúzia de milhares de euros, da Rita, em despesas de milhões, na globalidade, da era da Augusta, como conseguiram, agora, nas rubricas discriminadas?!
Estão a enganar quem?!
Outra sugestão será a de perguntar aos dirigentes da CGTP/in por que foram pedir dinheiro emprestado ao Sindicato dos Bancários da CGD, pequeno, mas rico, coincidentemente, com a expulsão da Augusta do mealheiro...

Sabe-se que esta questão da Sindicância é uma falsa questão e tão pobre de conteúdo, como do conhecimento inteligente de quem a promoveu. Por estas caraterísticas lhe identificamos as origens.
Não basta dizer que as greves dos Enfermeiros põem o Poder do Reino, em sentido e por isso as detesta. Torna-se necessário controlar os Enfermeiros, através da Ordem e Desordem, que lhes destrua as greves e nem sequer as apoie. Que, como as trovoadas, vão para o mar alto, onde não há palha nem grão, por interceção de Santa Bárbara e São Jerónimo.
Quando tivermos o estudo concluído, explicamos melhor.
Somos insuspeitos para poder  provar este raciocínio paupérrimo de quem desconhece o nível intelectual e cultural dos Enfermeiros, os que mais progrediram, nestas áreas, ultimamente e não precisamos dos apoios da Ordem para as nossas lutas, pois sabemos distinguir os DEVERES, que a Ordem impõe, aos seus Membros, dos DIREITOS, que os Sindicatos, sobretudo o SE, defendem, para os seus Associados.
conhecemos essencialmente, as distinções entre DIREITOS E DEVERES e, entre MEMBROS e ASSOCIADOS.
E, até, adivinhamos, onde quer chegar a Ministra da Saúde, com a Sindicância inspecionada pelo seu Gabinete, através da (F)IGAS sua dependente (da Ministra, claro), para destituir a Direção da Ordem, que não vai mamar do seu leite, nem comer dos seus gafanhotos, qual maná do deserto, desta politiquice vergonhosa, suja, de quem só sabe fazer disto: sujeira.
Caros Colegas,
imaginem que este velho não estava atento a estas pulhices.
Teríeis mesmo, de vos agarrardes ao pau da barca.
Não obstante, contem comigo para a luta ferruginosa, oxigenada, por ser a mais adequada à bandalheira. E, quando descobrirem a areia na vaselina, já vai ser tarde, suponho.
É assim que se ensinam os espertalhões presunçosos.
Pessoalmente, tenho consciência de ter ajudado, na meteórica evolução da Enfermagem das últimas 4 décadas, mas, infelizmente, por défice de perversidade mental e ação, nada fiz para imunizar os Enfermeiros, para se defenderem individual e coletivamente das pulhices vindas dos pulhas, que os rodeiam, no trabalho e fora dele: uma falha grave, por carência de malvadez, da minha parte.
Tenho que me redimir; por isso, aqueles que preservam a consciência profissional, ao nível do consciente, devem estar atentos às nossas estratégias, se pretendeis tirar a Enfermagem deste atoleiro de interesses adversos, prejudiciais mesmo, à nossa Classe.
Contem com o SE/SIPE FENSE e não só, na linha da frente da luta pela dignificação da Classe Enfermeira.
E tentai ver claro os fenómenos,que o nosso foco ilumina, para verdes melhor. Só os direitos dos Enfermeiros são a nossa força motora, nada mais.
Não esperem ver este nosso reparo divulgado fora dos nossos meios de comunicação, senão por mera casualidade de algum distraído. O controlo que o Poder faz à divulgação das verdades é perfeito e infalível!
José Azevedo

AS REFUTAÇÕES DA IMPAGÁVEL (F)IGAS<CLICAR>

OS FUNDAMENTOS INFUNDADOS E FORTEMENTE SUSPEITOS E TENDENCIOSOS DOS QUE JÁ SE JULGAM DONOS DE TUDO E, ATÉ, DA M..DA QUE EXPELIMOS.










NOTA DO AUTOR
NÃO SÃO OS CORPOS GERENTES DA ORDEM QUE ESTAMOS A DEFENDER;
DEFENDEMOS OS QUE ELES REPRESENTAM, QUE LHES CONFERIRAM O MANDATO, QUE A MINISTRA DA SAÚDE, NA SECRETARIA, QUER INTERROMPER, INTERFERINDO NA ELEIÇÃO QUE SE AVIZINHA.
MAIS SUJO E REPROVÁVEL DO QUE A BASTONÁRIA SE REVOLTAR E INTERFERIR NAS GREVES DOS ENFERMEIROS VÍTIMAS DAS MAIS HEDIONDAS PATIFARIAS, É A MINISTRA DA SAÚDE ESTAR A INTERFERIR NAS ELEIÇÕES DA ORDEM, QUE SE AVIZINHAM, COM A SUA TENDÊNCIA POLÍTICA.
REPROVÁVEL, SUJO.
José Azevedo

Nota 2 - Estão a perguntar-nos por que estão SEP/SERAO e os ALTERNES tão calados perante o grave assalto à Ordem dos Enfermeiros...

Devem perguntar-lhes e não a nós.


Nós formulamos uma hipótese: 

Se todos eles fazem parte do jogo ministerial, não podem piar, pois se piarem... pode ser o pio do cisne, antes de partir para outra dimensão.
Talvez seja por este silêncio que devamos começar o estudo investigador deste fenómeno, não lhes parece?!
José Azevedo

QUERAM SABER POR QUE MIAVA O MEU GATO, PERANTE SITUAÇÕES APARENTEMENTE INOCENTES E DISTANTES?

ANALISEM:


N BOA: MAS OS INSPETORES DA (F)IGAS DOS QUAIS SÓ 1 ERA LEGÍTIMO NÃO DESCOBRIRAM NADA. ELES FORAM BUSCAR OS RELATOS QUE GRAÇA MACHADO A ESCORRAÇADA PELA RITA ANDOU A DIVULGAR À COMUNICAÇÃO SOCIAL E O SEU CÚMPLICE (DA GRAÇA) TESOUREIRO-EX ENTREGOU À COMUNICAÇÃO SOCIAL.
SE COMPARAREM OS FUNDAMENTOS (F)IGADAIS COM AS DEÚNCIAS DA GRAÇA MACHADO, NÃO É QUE SÃO MESMO IGUAIS!...
SENDO ASSIM, E NÃO DUVIDEM QUE É; COMO OS FACTOS EVIDENCIAM, PARA QUEM FOI  ORIENTADO O ESPETÁCULO MONTADO PELOS INSPETORES (F)IGADAIS, AO SERVIÇO DE MARTA FARTURA, NA INVASÃO DESNECESSÁRIA, DAS INSTALAÇÕES DA ORDEM?!
OU SERÁ QUE QUERIAM REPOR OS DOSSIERS QUE GRAÇA MACHADO E O SEU CÚMPLICE RETIRARAM?
SEI LÁ, DIGO EU.
José Azevedo


Sem comentários:

Publicar um comentário